Destinos

Descobrindo algumas maravilhas da Itália

 

coliseu-283x300

Roma, Veneza e Florença

 

 

Roma, Veneza e Florença são as cidades mais impressionantes da Itália. Por sua história, arte e características peculiares, são lugares realmente imperdíveis. Mas o país tem muitos outros encantos, prontos para serem descobertos. Siena, Bologna e Verona são cidades vibrantes, onde se respira cultura e arte.  Elas tiveram um papel importantíssimo na constituição da Itália e são lugares onde a história pode ser vista e sentida.

As Estradas dos Sabores

 

As Estradas dos Sabores nos permitem apreciar o presunto de Parma, o queijo Parmigiano Reggiano, o Culatello de Zibello, o azeite extra virgem de Brisighella, o Aceto Balsâmico Tradicional de Modena, as massas italianas como vêm sendo feitas há mais de 200 anos… Um prazer sem fim para o paladar! Os vinhos trazem no sabor e no bouquet as características da região onde são produzidos. Brunello, Chianti, Lambrusco, Valpolicello e Pignoletto são alguns dos mais de 20 tipos de vinhos que o visitante pode degustar numa viagem à Itália.

85-museu-da-ferrari-300x200

Museu da Ferrari

 

 

Para os apaixonados por carros, a Região Emilia Romagna é um verdadeiro sonho. Lá estão localizadas a Ferrari, a Lamborghini, a Ducati e a Maserati. Visitar essas importantes fábricas e fazer um test drive pode se tornar realidade!

 

Lugares fantásticos que você pode visitar com a Caracol

 

 

Assis

A cidade onde nasceu São Francisco de Assis fica na região da Úmbria.

Ela foi construída sobre as colinas do Monte Subasio, cerca de 420 metros acima do nível do mar. Religiosidade, arte e história são os três pilares dessa cidade medieval que abriga a Basílica de São Francisco, seu principal monumento.

Caminhar por suas ruas estreitas e sinuosas é um dos prazeres que esse lugar- com cerca de 25 mil moradores -oferece aos visitantes. Apesar de tranqüila, Assis possui também um bom número de lojas e restaurantes.

Bergamo

Uma pequena cidade medieval, murada, no alto de uma colina, guarda encantos pitorescos.

 

Há duas formas de acessar a Cidade Alta: pela estrada que vai subindo ao lado do muro e oferece uma vista panorâmica de Bergamo, ou pelo “funiculare”, trenzinho que leva ao centro histórico.

Os bergamascos são alegres e musicais e a sonoridade e alegria se sente pela cidade. Situada ao pé dos Alpes, a região de Bergamo oferece paisagens bucólicas, sempre com as montanhas pintadas de branco ao fundo. É de lá uma das águas mais apreciadas do mundo, a São Pellegrino.

Bolonha

A “cidade dos arcos”, fundada em 510 a.C pelos etruscos, é vibrante, com comércio movimentado e intensa vida noturna.

 

É uma das maiores cidades medievais do mundo, totalmente preservada. Sede da primeira universidade da história, instituída em 1088. Ali desenvolveram seus estudos Dante Alighieri, Petrarca, Copérnico, entre tantos outros mestres do pensamento. Bolonha preserva a história mais do que qualquer outra cidade italiana.

Ali podemos ver o Duomo de São Petrônio, a quarta maior igreja da Itália, com a fachada como foi deixada em 1524, por ordem do papa que temia que ela se tornasse mais bonita do que a Igreja de São Pedro. Dentro do Duomo encontra-se a maior linha meridiana já construída, obra de 1669 do astrônomo Giovanni Domenico Cassini, descobridor de 4 anéis de Saturno e professor da Universidade de Bologna.

A Piazza Maggiore, que de um lado tem o Palácio Rei Enzo (construído para servir de cárcere ao filho do Imperador Federico II, que lá esteve preso de 1249 até sua morte em 1272) descortina-se também para a Sala Borsa – centro cultural em cujo subsolo se podem observar resquícios arqueológicos da cidade etrusca.

Capri

A Ilha de Capri só é pequena no tamanho.

 

Nos seis 6 km de extensão há muito o que ver e fazer. Dependendo da época do ano, Capri deixa de ser uma pacata colônia de pescadores para virar um local efervescente, de gente bonita vinda de todas as partes do mundo. Há lojas, cafés e restaurantes sofisticados, além de duas fábricas de perfumes funcionando há 600 anos

Mas o melhor mesmo é a paisagem de tirar o fôlego, incluindo as belíssimas grutas que podem ser visitadas, inclusive a famosa Gruta Azul.

Cinque Terre

Uma pequena parte do litoral da Liguria, as Cinque Terre são pequenas vilas encrustradas nos penhascos que caem diretamente no mar.

 

Antigamente vilas de pescadores, hoje são um dos destinos favoritos de verão dos italianos que podem pagar por este privilégio. Uma estrada férrea costeando os penhascos permite aos turistas conhecer a região, descendo em cada uma das vilas para uma caminhada pelo casario colorido, cheio de restaurantes e bares.

Costa Amalfitana

Localizada no litoral da Campania, a Costa Amalfitana é formada por 60 km de paisagens deslumbrantes.

 

Ao longo de uma estrada estreitíssima, esculpida no penhasco, estão cidades históricas como Amalfi e Ravello. O vilarejo de Positano, com suas casinhas coloridas encravadas nas montanhas à beira do Mediterrâneo, é um charme só. Cenário de vários filmes, inclusive o conhecidíssimo “Sob o Sol da Toscana”.

 

Isso tudo faz da Costa Amalfitana um dos mais lindos lugares da Itália.

Dozza / Imola

A Roca de Dozza é um pequeno castelo próximo à Bologna, em cujo subsolo funciona a Enoteca da Emilia-Romagna, onde se podem degustar os vinhos da região.

 

É circundada por um burgo com casas coloridas e repletas de obras de arte. Situa-se no alto de uma colina de onde se pode apreciar a paisagem das montanhas desenhadas por ciprestes; Dozza é considerada uma das mais típicas aldeias medievais romanas.  O centro municipal está localizado na vila medieval, mas o núcleo residencial e industrial cresceu ao redor da Via Emilia.

Ferrara

Primeira cidade da Europa a ter um plano diretor, elaborado em 1492 por Biaggio Rossetti, Ferrara é uma cidade dinâmica e viva.

 

A Universidade é responsável pelo grande fluxo de jovens que circulam sempre em bicicleta. Cidade berço do Teatro Moderno, com manifestações registradas desde o século XV, Ferrara ainda é sede de inúmeras manifestações artísticas diferenciadas, como a Buskers Festival, o maior festival de teatro de rua do mundo. Durante 10 dias, vemos esquetes teatrais pelas ruas da cidade, a qualquer hora.

O muro medieval que circunda Ferrara é único. Largo e com espaço para caminhadas na sua parte superior, permite contornar toda a cidade, apreciando a vista. Por vários séculos dominada pela Família D’Este, patrona de muitos artistas italianos, Ferrara tem no Palácio dos Diamantes e no Castelo Estense seus pontos turísticos mais visitados.

Florença

É uma cidade mágica, que encanta pela profusão de monumentos e obras de arte ao ar livre.

 

A cidade berço do Renascimento, que pôs fim à idade média, mandou na economia da Europa por muitos séculos, com sua moeda, o Florin. Dos 1.000 artistas e intelectuais mais importantes de todos os tempos, 350 viveram em Florença. Entre eles, Michelangelo, Dante Alighieri, Galileu, Leonardo Da Vinci e Botticelli.

Suas obras podem ser vistas pela cidade. Dividida pelo Rio Arno, Florença foi a cidade-estado mais importante do centro da Itália, rivalizando muitas vezes no poder político com Siena. Guarda a historia dos Guelfos e Ghibelinos, e, mais tarde, da Família Medici, descortinada na Praça Della Signoria, no Palácio Vecchio, na Catedral Santa Maria dei Fiori, na Ponte Vecchio e no Palácio Pitti.

Lucca

Cidade de Puccini, totalmente murada, ainda conserva as características de sua fundação, em 180 a.C, como colônia Romana.

 

As muralhas de pedra, construídas no século XVI, ajudaram a impedir o trânsito na cidade, preservando seu traçado regular, com ruas relativamente largas. Uma caminhada a pé pela pequena cidade é uma visita ao passado bucólico da Toscana.

Modena

Uma das províncias mais ricas da Itália, é famosa por ser a sede da Ferrari e da Maserati.

Curiosamente, a população faz da bicicleta seu principal meio de transporte para circular pelas ruas da cidade. Centro gastronômico da Itália, é lá que se produz o Aceto Balsâmico Tradicional de Modena, uma iguaria “consumida em gotas”, usada em pratos refinados, doces e sorvete. As “acetaias”, onde se faz o aceto balsâmico, são ponto turístico da província.

Visitar o museu da Ferrari e mesmo fazer um test-drive dirigindo pela cidade é um dos programas oferecidos pela Caracol Turismo.

Montalcino

Antiga colônia etrusco-romana, construída dentro de uma muralha em forma circular no alto de um morro.

No século X, cresceu com os povos do litoral do Tirreno que fugiam dos piratas Sarracenos e ali se instalaram. A partir do século XI, o território ganhou reconhecimento devido à agricultura. Hoje produz o famoso vinho Brunello.

Nápoles

Capital da Região de Campania, Nápoles é uma das cidades mais populosas da Itália.

Muitas vezes lembrada por ser sede da Camorra, a mítica máfia napolitana, a cidade guarda um certo mistério. Mas Nápoles é também romântica e cheia de atrações como seu centro histórico, declarado patrimônio da humanidade pela Unesco; o vulcão Vesúvio; as igrejas e as belas ilhas das imediações. Isso sem falar nas delícias culinárias tradicionais do sul da Itália.

Orvieto

 

Pequena cidade no alto de uma montanha vulcânica, Orvieto serviu por muitos séculos como refúgio para os papas. Suas grutas subterrâneas serviram para armazenar alimentos, para moradia e também para criação de animais que alimentavam a população por longos períodos em que a cidade ficava sitiada. A necessidade de água fez com que o papa Clemente VII encomendasse um poço ao arquiteto Da Sangalo, de Roma. O Pozzo San Patrízio é uma das maravilhas da arquitetura do Renascimento.  O Duomo do século XIV, todo em mármore, é muito usado para filmes e fotos de casamento pela sua beleza.

Pompéia

Cidade importante no Império Romano

 

Pompéia foi destruída pela erupção do Vesúvio no ano de 79 d.C. As cinzas do vulcão e a lama taparam a cidade de tal forma, que mantiveram-na preservada da ação do tempo por mais de 1.600 anos. Pompeia foi redescoberta em 1749 e desde então vem se tornando o mais impressionante sítio arqueológico do mundo, permitindo que hoje conheçamos os hábitos e o modo de vida dos primeiros anos da era Cristã.

Padova

Cidade marcada pela vida de Santo Antônio, Pádua tem na basílica um dos pontos turísticos mais visitados.

 

A cidade elegante e acolhedora tem ainda muitos atrativos. A Capela Degli Scrovegni é uma obra-prima de Giotto. A Universidade, uma das mais antigas da Europa, abriga o famoso Teatro Anatômico, sala de aula do professor Galileo Galilei.

O Duomo e o bastistério, com belíssimos afrescos de Giusto de Menabuoi; Uma caminhada pela praça Prato dela Valle, em forma elíptica e com suas 78 estátuas de personagens históricos da região, é uma passeio que alegra os olhos e a alma.

Parma

Terra de Giuseppe Verdi, Arturo Toscanini e Bernardo Bertolucci, Parma é por excelência uma cidade que respira arte.

 

E é também a terra do presunto e do queijo Parmigiano Reggiano, proporcionando excelentes opções de turismo enogastronômico, pelas Estradas dos Sabores. O Culatelo de Zibello (a parte nobre do presunto) é uma iguaria que se pode apreciar somente em Parma ou nos melhores restaurantes do mundo.

Uma das cidades mais bonitas da Itália, Parma guarda um acervo artístico variado, que pode ser visto na Academia de Belas Artes, na Galeria Nacional e no Teatro Reggio. A região é rica em castelos que podem ser visitados, como Torrechiara, o castelo Bardi e a Reggia di Colorno, onde funciona uma das mais importantes escolas de gastronomia da Itália.

Pisa

A famosa torre inclinada, de 900 anos, ladeada pelo Duomo e pelo batistério, na Praça dos Milagres, proporciona uma das cenas mais fotografadas da Itália.

Cortada pelo rio Arno, que desce de Florença, Pisa situa-se a poucos quilômetros de Vinci, (terra onde nasceu e cresceu o genial Leonardo), de Lucca (terra de Puccini) e de Viareggio, balneário mais famoso do litoral da Toscana, com a praia decorada por espreguiçadeiras e tendas, e com acesso pago.

Ravena

A cidade dos mosaicos é uma verdadeira jóia da antiguidade.

 

Última capital do Império Romano do Ocidente, no século V, atraiu vários povos que para lá afluíram levando sua arte. Entre eles, os Mestres Comacini, que haviam se refugiado por cinco séculos nas montanhas do lago de Como (ao Norte do país), desde a dissolução dos Colégios de Construtores, por volta de 64 a.C.

Estão em Ravena as principais obras arquitetônicas daquele período. Os bizantinos deixaram uma contribuição inestimável na forma de mosaicos que cobrem as paredes altíssimas das igrejas, com imagens que se passam por pintura. A Igreja de San Vitale – construção octogonal de 548, em estilo Bizantino, é uma referência da arquitetura mundial. O mausoléu da Imperatriz Romana Gala Placidia traz mosaicos que impressionaram até mesmo Michelangelo. Está em Ravena, também, o túmulo de Dante Alighieri, que ali viveu seus últimos anos, exilado da terra natal, Florença

Roma

A Cidade Eterna, sede de alguns dos mais importantes acontecimentos históricos da humanidade, é um museu a céu aberto. Mesmo numa caminhada descompromissada pela cidade, dezenas de monumentos e pedaços da história se descortinam à nossa frente.

Além dos conhecidos Coliseu, Ruínas do Fórum Romano, Monumento a Vittorio Emanuelle II, Piazza di Spagna, Via Vêneto e Fontana di Trevi, encontramos ali o Pantheon – templo dedicado aos deuses romanos, cuja cúpula impressiona pelas dimensões e aspecto artístico; a Casa do imperador Adriano e sua esposa Livia, ainda hoje inteira; a praça onde supostamente foi morto o imperador Julio Cesar; a igreja San Pietro Acorrentado, onde está a escultura “Moisés”, obra preferida de Michelangelo; e o Castelo Sant’Ângelo – onde os papas se refugiavam fugindo de perigos e perseguições, e um dos cenários do filme “Anjos e Demônios”.

No auge do Império Romano e durante o século II, Roma tinha mais de 1,5 milhão de habitantes, e chegou a ter 45 mil prédios de apartamentos. Por seus aquedutos passavam mais de um milhão de metros cúbicos de água. A partir do século VIII, Roma passou a ser controlada pela Igreja Católica, tornando-se a capital dos Estados Pontifícios, tendo na figura do papa a sua autoridade máxima, permanecendo assim até 1871, com a Unificação da Itália e a criação da república.

O papa então refugiou-se no Vaticano que, em 1929, se tornou um país independente. Estes mil anos de dominação da Igreja Católica sobre Roma são responsáveis pela profusão de monumentos e construções religiosas que conferem à cidade uma posição única no mundo. Os museus do Vaticano abrigam os quartos de Rafael Sanzio, e a Capela Sistina, pintada por Michelângelo.

San Giminiano

Cidade que foi palco do filme “Chá com Mussolini”, San Giminiano encanta pela quantidade de torres medievais ainda em pé.

Cidade muito pequena, situada no alto de uma colina, tem um intenso comércio de produtos típicos da Toscana. Junto com Volterra, proporciona um dos mais belos passeios pelos campos floridos daquela famosa região italiana.

Siena

A cidade medieval, construída no entorno de uma praça em semi-círculo, com as ruas em curva. Antigo povoado etrusco, segundo a mitologia Romana, foi fundada por Sênio, filho de Remo, que fugia da perseguição de Rômulo, seu tio, decidido a matá-lo para que seu próprio filho herdasse Roma.

 

Durante séculos, Siena rivalizou com Florença. As guerras entre os Guibelinos, de Siena, e os Guelfos, de Florença, serviram como argumento para a “Divina Comédia” de Dante.

A Praça do Campo com o Palácio Público é o local mais visitado da cidade. Como forma de defesa medieval, as ruas da cidade vão se estreitando na medida em que se aproximam da Praça. A Catedral, que gerou um conflito de estilos durante sua construção, não estando de acordo com as medidas definidas pela Igreja, tem o piso totalmente decorado com mosaico em mármore que marcam as passagens do Antigo Testamento.

Trento

Capital da região Trentino-Alto Ádige, Trento tornou-se famosa pelo “Concilio de Trento” em 1545, quando a Igreja Católica vivia a divisão com a Reforma Protestante.

Inserida numa região montanhosa, no extremo norte da Itália, Trento inicialmente foi uma cidade céltica e ao longo de sua história dominada por diversos povos. De 1028 a 1801 foi um principado episcopal. O príncipe-bispo tinha o poder total. Dominada por Napoleão, passou a integrar a Áustria. Somente após a segunda Guerra Mundial tornou-se parte da Itália, mas ainda hoje é uma província autônoma.

O Trentino, uma região rica em montanhas – entre as Dolomitas e os Alpes, tem paisagens deslumbrantes. Na cidade de Trento, o castelo Buon Consiglio guarda a imponência do período em que os príncipes bispos tinham o poder absoluto sobre a Região.

Treviso

A província do extremo norte do Vêneto é bordada pelas Dolomitas, cadeia de montanhas que ficam nevadas seis meses por ano.

 

Os vários lagos em meio às montanhas produzem paisagens bucólicas que remontam ao imaginário do lugar onde viveram nossos ancestrais italianos. Região marcada pela agricultura, é plena de opções de agroturismo onde se podem experimentar vinhos como o Piave e o Prosecco.

Na cidade, a Piazza dei Signori, com seus edifícios do século XII, marca o período em que foi uma cidade livre. Em 1388 passa a ser possessão de Veneza ganhando prosperidade com a construção da Universidade que levou para Treviso estudiosos e artistas, como Dante Alighieri e Tommaso de Modena. As ruas entrelaçadas por zonas de água e zonas de verde marca uma urbanização peculiar.

Veneza

A cidade romântica, cortada por canais e bordada por pequenas pontes, tem um encanto único.

Cidade onde teve inicio o comércio entre a Europa e o Oriente, foi precursora em vários aspectos, inclusive na sua organização política: uma república administrada durante quase mil anos pelos Doges e pelos conselhos.

Um marco histórico é o Palácio dos Doges – uma das obras de referência do estilo Gótico, construído entre 1309 e 1424, onde se encontram o painel Paraíso, de Tintoretto e a Ponte dos Suspiros – sede do poder até 1789, quando Napoleão Bonaparte conquistou a Itália.

A Praça São Marcos oferece uma das imagens mais grandiosas da Itália, com a torre e a basílica de São Marcos. Um passeio pelas ruelas da cidade nos leva ainda ao bairro boêmio de Rialto com sua ponte de comércio e o mercado de mais de mil anos. Pela Ponte da Academia podemos acessar também o museu da Academia, o museu Peggy Guggelheim e a monumental igreja Nossa Senhora da Saúde.

Verona

Palco do romance “Romeu e Julieta”, de Shakespeare, guarda ainda intacto o cenário que encantou o poeta inglês.

Um city-tour permite conhecer a Arena construída entre os séculos I e III, que está inteira e hoje é palco de shows e espetáculos artísticos; a Praça Bra, com a escadaria em mármore e o chafariz, onde foi filmada a cena de luta entre Romeu e o primo de Julieta, o Castelvecchio, com sua ponte sobre o Rio Adige e pela Casa de Julieta, repleta de cartas de amor ali deixadas por apaixonados do mundo todo.

Quem não gostaria de tirar uma foto nesse lugar mágico

Vicenza

Cidade charmosa e bonita, desenhada por jardins e ricos prédios que remontam ao renascimento.

 

Situada no centro do Vêneto, Vicenza tem uma história de riqueza arquitetônica e cultural. A Basilia Palladiana com colunas em mármore e arcadas amplas é um testemunho da harmonia da obra de Andrea Palladio. La Rotonda, uma villa belíssima nos arredores de Vicenza, e o Teatro Olímpico, que mostra uma solução baseada nos antigos anfiteatros romanos, já valem o passeio.

Volterra

Uma das principais cidades do centro da Toscana, que existia desde a Idade do Ferro e nos anos 300 reunia mais de 25.000 habitantes.

Abriga o Museu Etrusco, com acervo de utensílios e objetos e arte que remontam há 5 mil anos. Um passeio pela cidade medieval, com lojas de vinhos e artesanatos da região, nos faz entender porque o local foi escolhido como cenário de um dos filmes da trilogia “Crepúsculo”.

Para maiores informações, entre em contato com a Caracol Turismo. Teremos o maior prazer em atendê-lo.